TRADUZINDO

WebRádio Cultura Viva

segunda-feira, 20 de julho de 2015

A BURGUESIA E A SOCIEDADE SUICÍDA























Eu já perdi as contas de quantas vezes ouvi debates sobre Lampião. E já ouvi de muita gente, posições “raivosas” sobre o mais famoso líder do cangaço, com a afirmação de que ele foi o vilão daquela história. Estas mesmas pessoas muitas vezes não tinham opiniões formadas sobre os coronéis, que representavam a burguesia da época.

Algo parecido percebemos em relação a Antônio Conselheiro. Sobre ele, ficou a imagem de um homem maluco e fanático religioso. Muitas destas mesmas pessoas que assim pensam, não têm opinião formada sobre os algozes de Canudos, que representavam a burguesia da época.
Quando zumbi morreu, houve festa no centro do Recife. Moedas eram jogadas ao povo, e o povo festejava, comemorando a morte de um “malfeitor”. Eram atribuídos a Zumbi e ao Quilombo dos Palmares, todos os perigos e ameaças à sociedade. Ainda há quem questione a legitimidade da luta de Palmares. E muitos se esquivam em relação aos perseguidores dos Quilombos. Perseguidores que representavam a burguesia da época.

E tudo vem de muito longe. Jesus Cristo foi rechaçado pelo próprio povo, que o condenou e vibrou com sua crucificação, sem questionar os homens contrários às posições do filho de Deus. Homens esses, que representavam a burguesia da época.

Pois bem... Não quero fazer nenhuma comparação entre os personagens aqui citados. Suas épocas, suas convicções, suas lutas, foram pontuais em sua história. Mas há algo que podemos comparar sempre: A BURGUESIA! Ela está sempre no mesmo rumo. Só mudam os representantes. A burguesia só é burguesia, enquanto existe segregação. Ao menor sinal de reação das classes historicamente depredadas, ela (a burguesia) se preocupa. E tenta cortar o “mal”, seja pela raiz ou pelo tronco. E vai induzindo boa parte da PRÓPRIA CLASSE SEGREGADA a ajudá-los a frear as reações. A automutilação acontece com uma boa dose de incentivo ao ódio. Sempre foi assim. Não seria diferente agora.

O pilar da chamada “elite reacionária” é a persuasão. Um investimento sem tréguas, de lavagem cerebral, a fim de que o povo se transforme em kamikaze para o deleite da própria burguesia. Eles sabem que sempre conseguiram persuadir boa parte da sociedade, através da sua caixa de ressonância. E eles continuarão. Sempre.

É só lermos um pouco. Quantas expedições a burguesia enviou para derrubar Palmares? Quantas tentativas houve para derrubar Canudos? Quantos cercos fizeram para derrubarem Lampião?
Rebusque! Leia! Os personagens do nosso lado são diversos. A burguesia atacou todos. O discurso de ódio vai aumentar.

Mesmo que para isso, eles intensifiquem desejos de golpes, fazendo com que esse mesmo golpe seja defendido pelas mesmas pessoas que serão torturadas e mortas por ele.

O alento é que por mais que a burguesia derrube um sonho, outros sonhos são erguidos. E cada vez mais fortificados. Por isso, ela (a burguesia) tende a aumentar a dosagem de ódio no seio da sociedade. Eles só defendem a democracia, se a democracia for fascista.


André Agostinho/DIRETOdosMANGUEZAIS

Nenhum comentário: