TRADUZINDO

WebRádio Cultura Viva

terça-feira, 12 de julho de 2011

FIG - OFICINAS - 2

AUDIOVISUAL

Reportagem Comunitária
Data: 18 a 22 de julho
Hora: 9h às 12h e 14h às 17h
Carga horária: 30h 
Local: Castainho
Público: Comunidades quilombolas de Garanhuns
Vagas: 25 
Facilitador: Williamy Tenório
Proposta: Proporciar conhecimentos teóricos e vivência prática de vídeo, orientação básica de manuseio e segurança com equipamentos, desinibição e apresentação, captação de imagem, captação do áudio, iluminação, produção, edição e finalização. 

Eco-Doc - oficina de videoblog ambiental
Data: 18 a 22 de julho
Hora: 9h às 12h e 14h às 17h
Carga horária: 30h 
Local: Campus UPE
Público: Geral a partir de 18 anos
Vagas: 20 
Facilitador: Alice Chitunda e Rafael Mazza
Proposta: Desenvolver atividades educativas para a capacitação de jovens e adultos na produção e divulgação de material audiovisual ambiental de baixo custo, visando identificar e valorizar as práticas de sustentabilidade desenvolvidas em Garanhuns. 

Rádionovela: o que Garanhuns esconde?
Data: 18 a 22 de julho
Hora: Turma 1 (9h às 12h), Turma 2 (14h às 17h)
Carga horária: 15h 
Local: Campus UPE
Público: Geral de 12 aos 24 anos
Vagas: 15 em cada turma 
Facilitador: Raphael Leal
Proposta: A oficina visa promover a inclusão socio-digital de adolescentes e jovens, utilizando a ferramenta Rádio como instrumento de inclusão social, democratização da comunicação e produção cultural, capacitando jovens a atuar na produção de programas radiofônicos comunitários, bem como na produção e edição de áudio.

CULTURA POPULAR

Jogos e brincadeiras
Data: 18 a 22 de julho
Hora: 9h às 12h e 14h às 17h
Carga horária: 30h 
Local: Castainho
Público: Comunidades quilombolas de Garanhuns
Vagas: 25 
Facilitador: Paulo Estevan

Criando a máscara, colocando a figura
Data: 18 a 22 de julho
Hora: 9h às 12h e 14h às 17h
Carga horária: 30h 
Local: Campus UPE
Público: Geral a partir de 12 anos
Vagas: 25 
Facilitador: José Grimário da Silva
Proposta: Objetiva a perpetuação das figuras (personagens) existentes nesse folguedo, através da confecção da máscara e do exercício da prática das figuras de cavalo marinho como o seu Ambrósio, o pisa pilão, Mateus e bastião, a véia do bambu e outros personagens. 

DANÇA

Dança Afro
Data: 18 a 22 de julho
Hora: 9h às 12h e 14h às 17h
Carga horária: 30h 
Local: Castainho
Público: Comunidades quilombolas de Castainho
Vagas: 25 
Facilitador: Orunmilá
Proposta: As danças afro-brasileiras proporcionam àqueles que as dançam um elo físico, mental e principalmente energético diretamente ligado as suas raízes e origens. A oficina tem como objetivo dar mais visibilidade e fortalecer a cultura do povo negro

Da capoeira ao passo do frevo
Data: 18 a 22 de julho
Hora: Turma 1 (9h às 12h), Turma 2 (14h às 17h)
Carga horária: 15h 
Local: Campus UPE
Público: Geral a partir de 12 anos
Vagas: 25 em cada turma 
Facilitador: Carlos Loy
Proposta: Objetiva trabalhar a origem do passo do frevo. Considerado patrimônio cultural de Pernambuco, o frevo (dança) surgiu o movimento dos capoeiras que iam na frente protegendo a banda marcial pelas ruas do Recife e nesse movimento da capoeira com fundo musical de polcas a marchas denominou-se o frevo do verbo ferver, pois a multidão fervia quando a banda passava.

Ateliê do Corpo - Dança e Criação
Data: 18 a 22 de julho
Hora: Turma 1 (9h às 12h), Turma 2 (14h às 17h)
Carga horária: 15h 
Local: Campus UPE
Público: Geral a partir de 18 anos
Vagas: 20 em cada turma 
Facilitador: Tainá Dias de Moraes Barreto
Proposta: Formação voltada para a consciência corporal, o aprendizado de princípios técnicos de dança, além de oferecer a oportunidade de vivenciar uma breve atividade de criação. Cada participante será instruído na exploração do seu potencial expressivo e orientado na criação de uma pequena célula coreográfica.

FORMAÇÃO

Identidade imaterial étnico racial
Data: 18 a 22 de julho
Hora: 9h às 12h e 14h às 17h
Carga horária: 30h 
Local: Castainho
Público: Comunidades quilombolas de Castainho
Vagas: 25 
Facilitador: Júnior Afro
Proposta: A oficina consiste em um espaço de debate e estudos sobre a dimensão da cultura afro brasileira no cotidiano da sociedade. Discutindo elementos fundamentais da matriz África no Brasil que levaram a uma sociedade de resistência expressa através de manifestações artísticas, políticas e religiosas.

Nenhum comentário: