TRADUZINDO

WebRádio Cultura Viva

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Série HISTÓRIA DETALHADA - LAMPIÃO E O CANGAÇO




















Visitar a história do cangaço é observar de muito perto, a covardia do coronelismo, que fez o que bem quis na região Nordeste durante vários anos, e os gestores, ao longo dos anos, tentaram ocultar sobretudo nos livros de história. Apesar do reinado pleno de Lampião (foto acima), o movimento passou por várias fases e motivações, tendo sempre como foco, a forma escravista como o sertanejo sempre foi tratado. Nomes como Antônio Silvino, Sinhô Pereira e Corisco, também foram determinantes para a força do movimento. Assim como CANUDOS, o cangaço teve como inimigos, os donos do poder, que massacravam o povo. De certa forma, hoje ainda encontramos muitos "representantes do povo" com esta característica de carrasco. Mas, de fato, o cangaço foi um dos mais fortes movimentos que se tem notícia. Lampião não foi morto para se conter o banditismo. Lampião foi morto porque estava incomodando poderosos. Se a motivação da morte fosse pelo banditismo, restariam poucos "representantes do povo". 


Quer saber mais sobre o cangaço? Clique AQUI

Em tempo: Um dos mais completos acervos sobre o cangaço pertence ao pesquisador e cordelista PAULO MOURA. Um pouco da sua obra, você pode conferir AQUI

2 comentários:

rosa bezerra disse...

Gente, o maior acervo sobre o Cangaço pertence ao pesquisador Antonio Amauri, residente em São Paulo.Amauri pesquisa há muito tempo, décadas, conviveu com cangaceiros e tem registros históricos de vários sobreviventees do cangaço. O resto é conversa pra boi dormir.Todo mundo se julga conhecedor do cangaço, quando na verdade repete apenas o que outros dizem sem acrescentar nada novo.

Narciso disse...

É verdade amiga Rosa, sem contar que nosso amigo Angelo Osmiro (GECC - Grupo de Estudo do Cangaço do Ceará)Em Fortaleza tem um acervo de quase mil lívros Só sobre o cangaço sem incluir os cordéis e uma coleção completa da revista "O cruzeiro".
Temos também Ivanildo Silveira em Natal-RN, que além de grande conhecedor do Cangaço é um colecionador de qualidade ímpar.