TRADUZINDO

WebRádio Cultura Viva

quarta-feira, 20 de abril de 2011

CRÔNICA DE UMA DOENÇA CRÔNICA


“(...)se é pra roubar eu vou presose é pra matar eu vou presose é pra pegar novinha eu vou preso satisfeito(...)”

O trecho acima, faz parte de uma música que o mercado atualmente rotula como “música dos jovens”. É aí que fico pensando nas letras criticadas nos dias de hoje, pelo simples fato de passarem a mensagem certa.

Em outra ocasião, aqui mesmo, através da Série Cultura Viva Indica, me referi à músicas que realmente fazem referência à realidade de um povo. De uma comunidade.
Então, fico surpreso com a naturalidade em que se assimila uma música que faz apologia à pedofilia, e segue sem restrições, enquanto percebemos algumas resistências à músicas de nomes como Racionais MC’s, apenas para citar um exemplo, porque tocam na “ferida”.

Durante muitos anos, a sociedade foi condicionada a acreditar, que gêneros como o Hip Hop, são sons de marginais.Dentro desse lógica, eu pergunto: O que é, então, uma música que impulsiona o ato de ser pedófilo?

Vou repetir o trecho da música:  

“(...)se é pra roubar eu vou presose é pra matar eu vou presose é pra pegar novinha eu vou preso satisfeito(...)”

Tem mais. Tem apologia à violência contra a mulher:

Ela é safada, mas gosta de apanhar / E diz que é gostoso na hora de amar / Apanha pra dormir, apanha pra acordaApanha todo dia, toda hora sem parar / Eu sei o que fazer pra ela não brigar / É tudo diferente, seu remédio é apanhar(...)”
Lendo isso, me respondam: Qual a inocência que há nessas letras? Qual a “brincadeira” que podemos encontrar nessas mensagens? Qual a explicação saudável para a violência descabida da agressão sexual, física e psicológica?

Pior que ainda aparece alguém que me acha conservador ou sisudo demais, por não aceitar a inversão de valores. Vai entender...

Eu não posso assimilar de forma positiva, as mensagens pejorativas. E vou bater sempre na tecla. É minha obrigação.

Um comentário:

Karina Pedrosa disse...

a primeira letra ta errada. É quase igual, mas ta errada.

Luciano Siqueira lançou um projeto para que o Governo do Estado vete de seus eventos a participação de bandas que estimulem a pedofilia, preconceito e maus tratos às mulheres.
Saiu no Diário de PE semana passada. Vale a pena ler e discutir sobre os assuntos: esse abordado na crônica e o projeto também ;)